Contatos

São Paulo

Rua Américo Brasiliense, 1923 - Conjunto 906 - Chácara Santo Antônio (Zona Sul) - São Paulo/SP

 (11) 3199-2930
(11) 95060-0756

Rio de Janeiro

Rua Lauro Muller, 116 - Botafogo - Rio de Janeiro/RJ

(21) 3195-0390

Visite o nosso site

Como diretor de Negócios da RealtyCorp no Rio de Janeiro, atuo no mercado imobiliário carioca há mais de nove anos, com foco em escritórios corporativos e condomínios logísticos. Além disso, sou formado em Administração de Empresas e trabalho com especialistas do mercado que, juntos, contemplam mais de 50 anos de experiência.

Essa breve apresentação curricular tem por objetivo embasar a opinião que trago aqui formada, a partir da analogia proposta neste artigo. Vamos a ele?

O que o futebol nos ensina

A pulverização da informação no Brasil me fez chegar nesta frase: hoje qualquer um pode influenciar a massa, basta ser polêmico com a sua própria causa.

O lado bom é que paramos de discutir somente futebol; o lado ruim (ou preocupante) é que não paramos de tratar os principais temas da sociedade como torcedores fanáticos. O problema de analisar a nossa política como torcedor de futebol é que a melhor solução no caos seria cortar a cabeça do técnico por sua suposta incompetência, sem entrar no mérito do “governo” atual ou do passado.

Como vascaíno posso salientar que conheço bem as dificuldades do meu clube, mas nem por isso gosto de ouvir os flamenguistas dizendo que estamos mal; só eu posso dizer isso. E caso o torcedor do meu time critique, de imediato o considero um vira-casaca. E focando na solução clubista é sempre mais fácil cortar a cabeça do técnico que não tem trazido os resultados esperados. Contudo, vale pensar que, comprovadamente, nem sempre essa medida funciona, pois o elenco (time) precisa estar engajado na busca pelo objetivo comum.

O meu clube do coração comprovou essa tese há poucos dias. Cito um exemplo rápido: o professor Luxemburgo foi contratado para salvar o Vasco em situações semelhantes, duas vezes pelo possível rebaixamento. Na primeira contratação foi capaz; já na segunda, não.

Como se trata do mesmo professor, posso afirmar que a base e o estimulo passado foram os mesmos, o que comprova que precisamos de uma equipe engajada e focada para conquistar o objetivo. Mas assim como tudo na vida, não podemos desconsiderar as variáveis, ou simplesmente pessoas tentando o mesmo objetivo, no qual o mérito deveria prevalecer.

Ampliando a discussão

Na política, com o fácil acesso à informação, você supostamente precisa escolher entre Direita e/ou Esquerda, como se fosse um clube de futebol, e por isso os melhores players do game estão nos extremos. O centro fica considerado como clube pequeno e só terá importância no segundo turno. O que no campeonato e na política é considerado a grande final, só que no caso do centro, precisará escolher um lado para continuar no jogo.

Considerando toda esta análise de caso, acredito ser justa essa discordância, pois a rivalidade apontou os pontos negativos do sistema, e sem entrar no mérito de certo ou errado, saliento que ficaria fácil ajustarmos o Brasil com os três poderes atuando em harmonia, de forma independente.

Hoje não é o caso, e pra piorar, estamos vivendo uma pandemia e muitas incertezas, com rachadura nos poderes e na sociedade. E com a pulverização da informação, não sabemos em quem confiar.

Olhando somente para o Rio de Janeiro, acredito que temos o pior histórico político já visto, com diversos escândalos de corrupção nas últimas décadas e sendo “governados” pelos vices que não queríamos.

Mas diferente de apontar os problemas da cidade, quero compartilhar a capacidade que ela dispõe. Os projetos podem dar certo, podem atrair investidores. Somos uma das cidades mais belas do mundo e referência em alegria apesar das dificuldades.

Nestes nove anos de experiência no mercado imobiliário, também posso me considerar um capacitado para falar do desenvolvimento urbano da cidade. Isso sem levar em consideração os erros de gestão pública/administrativa que deixarei para a justiça.

Avanços alcançados

Fato é que ocorreram alguns eventos nas últimas décadas que trouxeram alguns avanços para a cidade, conforme relaciono abaixo:

  • Inauguraram a Linha 4 do metrô que facilitou o acesso da Zona Sul para a Zona Oeste;
  • Implantaram o BRT – que são ônibus rápidos em corredores;
  • Implantaram o metrô na Superfície, linha de ônibus que facilita o acesso ao metrô dentro do bairro;
  • Revitalizaram toda a região portuária, trazendo um apelo cultural e diversos investimentos para a região, com empreendimentos comerciais Triple A e com previsão de construção de empreendimentos residenciais;  
  • Na Zona Oeste, com o programa “Minha Casa Minha Vida”, diversos condomínios residenciais foram lançados;
  • Implantaram o VLT – que interliga a Rodoviária ao Aeroporto Santos Dumont, entre outras conquistas e serviços.

Mesmo com todos os escândalos, que provavelmente estimularam tirar do papel todos esses avanços, destaco a capacidade da cidade que vem sobrevivendo mesmo sem gestão. Não está fácil e certamente a Covid-19 piora bastante a situação.

Acredito que os sistemas implantados no passado já nem estejam em pleno funcionamento devido à falta de verba e dificuldades implantadas. Mas para você, investidor que ama o Rio de Janeiro, quero dizer que sempre conseguimos achar uma luz no final do túnel. Isso é louvável.

Com isso quero estimulá-los que não deixem de avaliar o potencial e a capacidade que a cidade maravilhosa ainda tem.

Uma boa iniciativa já começou!

O Projeto Reviver Centro, lançado em 26/01/2021, surgiu com o intuito de estimular a recuperação social, econômica e urbanística do Centro do Rio. O plano inclui uma série de incentivos fiscais e edilícios e permissões de novos usos para fomentar a construção de novas moradias e o retrofit de prédios comerciais. Para saber mais, clique aqui.

Queremos vencer, certo? Só precisamos de investidores e gestores bem focados no objetivo.


Carlos Calzavara

Carlos Calzavara é formado em Administração de empresas e acumula mais de 8 anos de experiência no mercado imobiliário. No ano de 2018 assumiu o setor de novos negócios da RealtyCorp no Rio de Janeiro e Captou mais de 30 mil m² de lajes de escritório. Em 2019 fez transações relevantes no Edifício Ventura Corporate Towers.


4 Comments

  • Leonardo Bispo Chaves, 08/04/2021 @ 13:02 Reply

    Belo artigo, parabéns.
    Sucesso

  • Vítor Farias, 08/04/2021 @ 13:06 Reply

    Texto simples e objetivo, parabéns pelo conteúdo!

  • João Claudio de Lima, 08/04/2021 @ 15:51 Reply

    Boa tarde !
    Concordo que o Rio de Janeiro é uma potência neste setor, vale a pena investir sim.

  • Ronaldo Moreira, 30/04/2021 @ 11:14 Reply

    Excelente.
    Parabéns

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *